quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

LUTO: Perdi mais que um amigo.

São 01h51 de uma quinta-feira, e até agora está difícil de acreditar. Há mais ou menos 5 horas atrás, recibi a notícia que um amigo meu acabara de falecer. Não teria porque compartilhar essa notícia com vocês, se esse amigo não fosse um dos escaladores mais completos do esporte um dos que mais contribuiu para escalada nos últimos anos - em especial à escalada esportiva -, o presidente da FEMERJ e da CBME, Bernardo Collares. Bernardo sofreu uma queda, aparentemente, ainda nos primeiros rapéis, após atingir o cume do Fitz Roy (Patagônia - Argentina) com a sua amiga e escaladora Kika Bradford.

Bernardo Collares com sua clássica cervejinha no Frey, Argentina. Foto: Acervo Pessoal.

Mais do que perder um amigo, perdi um incentivador. Quem conheceu esse cara sabe que ele era fissurado pela escalada e fazia tudo para ver a evolução do esporte. A vontade que ele tinha de viver, me causava até uma inveja que se transformava em motivação. O bicho mandava via esportiva e tradicional; boulder; e grandes paredes (mas sempre com seu tradicional capacete branco velho de guerra). Versatilidade: uma de suas melhores qualidades. Não quero que pareça clichê, mas de coração, em nome de toda a Família, deixo aqui nossos pêsames aos familiares e estamos aqui para o que precisarem. Obrigado por tudo o que você fez por nós escaladores, Presidente. Que Deus o acompanhe e ouça nossas vozes aqui em baixo. Faça uma boa passagem e descanse em paz.

Recebendo o troféu de campeão da IV Etapa do Estadual de 2008 das mãos do querido Presidente. Foto: Acervo Pessoal.
Luto.

UPDATE: Através de um e-mail enviado pelo escalador André Ilha, chega a notícia de que o Bernardo Collares e a Kika Bradford não alcançaram o cume do Fitz Roy pela via "Afanassief", mas chegaram muito perto. E o acidente aconteceu no primeiro rapel, segundo relato da própria Kika. Apesar de algumas especulações, as causas do acidente ainda são desconhecidas até o dado momento deste post.

1 comentário:

FERNANDO disse...

Quase nos meus 73 anos, e tendo sido um escalador de rocha no, infelizmente, curto período de 1956 a 1960/62, no entanto, posso muito bem ainda hoje aceitar como plena a proposta do Bernardo Collares realizada na vida e na ida que consta na sua frase que acabei de ler. "As montanhas são como uma espécie de reino mágico onde, por meio de algum encantamento, eu me sinto a pessoa mais feliz do mundo." Lamento a ausência desta pessoa tão querida entre os montanhistas, um bonito ser humano, excepcional escalador e homem de muitas habilidades no trato com pessoas, e que foi muito importante na divulgação e consolidação deste esporte maior.
E, pelo relato primeiro que sei e pelo que imagino que possa ter acontecido, não tenho dúvidas que lá se foi um herói e voltou para todos nós uma heroína.
De montanha.

Fernando Penna Botto